Asma, a doença crônica mais comum no Brasil - Physical Care

Notícias

Leia algumas matérias sobre apneia, ronco e distúrbios do sono

Asma, a doença crônica mais comum no Brasil

Considerando a população adulta, crianças e adolescentes, ela pode chegar a aproximadamente 20 milhões de pessoas. Desse total, aproximadamente 20% enfrentam a doença de forma grave.

 

Asma, a doença crônica mais comum no Brasil

A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que 300 milhões de pessoas no mundo, incluindo crianças, sofrem com a asma. No Brasil, segundo dados do Ministério da Saúde e do IBGE, 6,4 milhões de brasileiros com mais de 18 anos sofre de asma.

 

A Asma é uma doença inflamatória crônica das vias aéreas. A doença é uma condição multifatorial determinada pela interação de fatores genéticos e ambientais.

Isso quer dizer que o pulmão do asmático é diferente do pulmão de um paciente que não tenha asma. No pulmão asmático, existe extrema sensibilidade nos brônquios o que resulta em reações que geram irritação, por menor que ela seja.


Quais são os sintomas da Asma?

Fique atento se apresentar sintomas como: dificuldade respiratória, tosse seca, chiado ou ruído no peito e ansiedade. A doença é apresentada em graus diferentes e essa gravidade é verificada com uma series de exames.

É muito importante saber em que nível a doença está, pois isso pode auxiliar na busca do melhor tratamento para a doença. Além disso, manter uma periodicidade entre um exame e outro dará a oportunidade de saber em que estágio a asma se encontra, uma vez que é possível alterar a gravidade da doença com os tratamentos corretos.

 

Fica a dica: Os sintomas da Asma e do DPOC podem ser muito parecidos, o Ministério da Saúde alerta para a confusão entre as doenças. Entretanto existe uma enorme diferença entre asma e DPOC,  a principal delas é a reversibilidade.

 

A asma se apresenta pontualmente, em situações esporádicas: após exposição a algum produto alérgico, enquanto o DPOC é constante e não possui cura. Saiba que ambas podem ser tratadas de forma semelhante no que diz respeito ao aumento ou manutenção da capacidade pulmonar através de exercícios

 

Como classificar a Asma?

 

São quatro categorias gerais:

  • Grau 1: maior predominância no inverno, sintomas leves, irregulares com eventos por até dois dias por semana e duas noites por mês;
  • Grau 2: semelhante ao grau 1, não ultrapassando uma vez ao dia, mas com mais de dois eventos na semana;
  • Grau 3: Possui as características do grau 2, com sintomas persistentes e moderados até uma vez ao dia, entretanto ocorre mais de uma noite por semana;
  • Grau 4: sintomas persistentes ao longo do dia, quase todos os dia da semana e frequentemente pela noite.

 

 

Quais são as causas mais comuns da Asma?

 

Entre as causas mais comuns, estão:

Substâncias e agentes alérgenos: estima-se que as crises de asma sejam causadas, em 80 % dos casos por poeira, fumaça, ácaros, pólen, mofo, pelos de animais ou qualquer outra substância que possa ser conduzida pelo ar e acessar as vias aéreas;

 

  • Produtos químicos: eles também podem desencadear uma crise, bem como gripes e resfriados;
  • Alimentação: conservantes e alimentos industrializados podem gerar uma crise, mas existem substâncias naturais que também são responsáveis por isso: com ovos, leite bovino, soja, trigo e frutos do mar;
  • Exercícios: quem já possui asma pode ter crises em função de exercícios físicos. Isso não impede a prática de exercícios, mas exige maior atenção do praticante;
  • Asma Ocupacional: em geral ocorre com trabalhadores da indústria, onde existe produtos químico e poeiras;
    Mudanças de temperatura: o asmático pode reagir mal à alteração repentina na temperatura;
  • Medicamentos: alguns medicamentos, não necessariamente ligados a asma, podem ser prejudiciais para o asmático e, assim como os demais itens acima, causar algumas crises.

 

Os melhores tratamentos para a asma:

O tratamento da doença pode ser feito por remédios (corticoides), sempre sob prescrição médica. É o médico que decide quais os melhores medicamentos devem ser utilizados e com qual periodicidade do tratamento.

A Fisioterapia Respiratória, é uma grande aliada. Os exercícios deste tratamento consistem na aplicação de técnicas manuais que melhoram a postura e dão maior resistência e qualidade as estruturas que compõe o tórax. Além disso, possui benefícios como:

  • Aumentar a força muscular respiratória;
  • Facilitar a mobilização e a eliminação das secreções pulmonares;
  • Melhorar a ventilação pulmonar;
  • Reexpansão pulmonar;
  • Aumento da oxigenação e trocas gasosas;
  • Aumentar a mobilidade torácica;
  • Reeducação da musculatura respiratória;
  • Prevenir complicações;
  • Acelerar a recuperação nos momento de crise.
  • Diminuir o esforço respiratório;
  • Diminuir o consumo de oxigênio.

 

A fisioterapia respiratória em asmáticos na Physical Care contempla a utilização de aparelhos como o Shaker e Respiron que melhorar o fluxo de ar do paciente, ajudando a ventilar e oxigenar melhor. Já o Peak Flow, é um dispositivo que mede a obstrução do fluxo de ar no paciente. Por aqui, temos fisioterapeutas especializados para te ajudar com asma e outros distúrbios respiratórios.

Entre em contato pelo nosso telefone e agende a sua visita, estamos te esperando!



Assine nossa newsletter Receba dicas de saúde e bem estar para dormir melhor